Diferença entre vegano e vegetariano: entenda os dois conceitos

Se você pesquisar no Google Trends — ferramenta do Google que mostra o crescimento de buscar por termos específicos — vai notar que tem aumentado o número de buscas pela diferença entre vegano e vegetariano, e também por alimentação vegana e vegetariana. Inclusive, talvez seja por esse gráfico que só sobe, muitos restaurantes estão adotando esse tipo de alimentação e novas marcas de roupas, sapatos e cosméticos, o que vem gerado muitas dúvidas sobre o assunto.

Nós consideramos essa mudança como um estilo de vida, que ao contrário do que todos pensam, ser vegano ou vegetariano, vai muito além de uma alteração na alimentação. É uma transformação de pensamentos, de escolhas e de como vemos o mundo e os animais.

Há ainda diferenças entre ser vegano e vegetariano que muitos não sabem. Até quem já está pensando em fazer a transição pode ficar confuso quanto à essas nomenclaturas. Se você é uma delas e quer descobrir o que tem de diferente entre eles, acompanhe o conteúdo.

DIFERENÇA ENTRE VEGANO E VEGETARIANO

Queremos esclarecer para você qual a diferença entre esses dois termos, que pode causar um pouco de confusão. Mas você já pode considerar, que ambos enxergam isso como um estilo de vida e uma filosofia, que envolve ética, saúde, meio ambiente e sociedade.

Com base nesses pilares, mostraremos em tópicos a diferença entre veganismo e vegetarianismo.

VEGETARIANISMO

Você já pode ter visto por aí, que o que difere uma pessoa vegetariana de uma vegana é: enquanto um não come carne, frango e peixe, o outro não consome e não usa nada de origem animal, seja carne, derivados, roupas, sapatos, entre outros. Mas na verdade a diferença entre eles é outra.

Primeiro, você precisa entender que existem algumas classificações dentro do termo vegetarianismo, são elas:

  • Ovolactovegetarianismo: pessoas que não comem carne, frango e peixe, mas utilizam ovos, leites e derivados em suas refeições (mais comum);
  • Lactovegetarianismo: pessoas que não comem carne, frango, peixe e ovo, mas utilizam leite e seus derivados;
  • Ovovegetarianismo: pessoas que não comem carne, frango, peixe e leite, mas consomem ovos;
  • Vegetarianismo estrito: pessoas que não consomem nada de origem animal.

Com base nisso, você pode entender que vegetarianos evitam contribuir com a morte dos animais, e isso inclui os peixes e os frutos do mar (sim!). Eles consomem todos os outros alimentos que não sejam vivos e que não vão causar dor e sofrimento, como grãos, legumes, cereais, vegetais, folhas, frutas e todos os outros alimentos livres de crueldade.

VEGANISMO

Já os veganos, praticam uma filosofia de vida. Além de não consumirem nada de origem animal, também lutam pelo direito dos bichos em ter uma vida livre de maus tratos, da exploração e do abuso. Então, além de cortar esses seres de sua dieta vegana, eles não usam e não compram absolutamente nada que causam dor, sofrimento e crueldade para ser produzido.

Além disso, quem pratica o veganismo é restrito de algumas outras atividades, como:

  • rodeios;
  • aquários;
  • zoológicos;
  • pescaria;
  • circos que usam animais;
  • parques que confinam animais;
  • competições que envolvam animais;
  • não compram animais;
  • são conta o uso de carroças, charretes
  • são contra o uso de animal para transporte, como montaria.

Como você pode ver, ser vegano vai muito além da alimentação e coloca em pauta todas as atividades que possam trazer desconforto e dor ao animal.

PILARES QUE SUSTENTAM ESSE ESTILO DE VIDA

Como falamos no inícios, o veganismo e o vegetarianismo surgiram com base em alguns pilares, e são eles: ética animal, saúde, meio ambiente e sociedade. É interessante que você saiba o que envolve cada um desses pilares e como eles são importantes e devem ser considerados.

ÉTICA ANIMAL

Podemos afirmar que a ética animal é o principal pilar que sustenta esse estilo de vida, já que está voltado ao não sofrimento dos animais. Nós acreditamos que eles merecem respeito e consideração moral, uma vez que os bichos são considerados seres sencientes — capazes sentir prazer, dor e felicidade — e sabem o que é melhor para si.

Portanto, não aceitamos que eles sejam vistos como seres inferiores e/ou objetos disponíveis para nossa sobrevivência e conveniência. Apesar dos comerciais agro é pop, a realidade na criação desses seres para consumo não são nada felizes. Você estaria disposto a verificar como é feita a carne que consome? Pense nisso.

SAÚDE

Esse é um pilar voltado para nós, humanos, mas que não deixa de ser importante, uma vez que há uma preocupação com a nossa saúde ao considerarmos nos tornar vegetarianos ou veganos.

Estudos são feitos a fim de indicar que a retirada de produtos do reino animal de nossa alimentação, ou seja, ter uma dieta vegana, diminuem as chances de algumas doenças, como obesidade, diabetes, hipertensão e alguns tipos de câncer. A Sociedade Vegetariana Brasileira escreveu um guia alimentar de dietas vegetarianas (estritas) com alguns estudos que comprovam os fatos citados anteriormente.

Há um relatório da Organização Mundial de Saúde, publicado em 2015, que mostrou que os alimentos embutidos (presunto, peito de peru, calabresa), são classificados como grupo 1 de carcinogênicos, que tem ligação com o câncer. No mesmo relatório, também entrou a carne vermelha (boi, porco, cavalo, bode e carneiro) que além de ser classificado no grupo 1, entrou no 2A — que contém glifosato, princípio ativo de pesticidas.

A ADA — Associação Dietética Americana — também divulgou que há um aumento em câncer de mama em países onde mulheres consomem muitos produtos de origem animal.

Também publicamos um artigo baseado em um estudo da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que fez uma projeção de um cenário caso todos os humanos se tornassem veganos e os resultados são surreais. Na área da saúde, por exemplo, foi estimado que 8,1 milhões de mortes seriam evitadas. As doenças a serem prevenidas: câncer, diabetes tipo 2, AVC e doenças arteriais.

MEIO AMBIENTE

O maior causador de desmatamento no Brasil hoje é a criação de gado para consumo, que inclusive é feito por meio de queimadas, e além de poluir, ainda mata animais silvestres. E não é só isso, é necessário cerca de 17 mil litros de água para produzir 1kg de carne bovina. Pode parecer brincadeira, mas o maior incidente de gases de efeito estufa são as flatulências soltadas pelas vacas que estão nos pastos esperando serem abatidas. A terra onde o gado vive, não pode ser reutilizada para platações, pois fica infectada de dejetos causados pelos animais, ficando infértil. A maioria das plantações de grãos são destinadas à alimentação dos animais e não diretamente para pessoas.

Como você pode ver, a não adoção a uma dieta vegetariana pode trazer sérios impactos ao meio ambiente. Desmatamentos, alterações climáticas, ineficiência de produção de grãos para alimentação humana e desperdício de água.

SOCIEDADE

A agropecuária envolve casos considerados trabalho escravo (pessoas em péssimas condições de trabalho). Assim como histórias encontradas em filmes, ainda há indícios de pessoas que trabalham em fazendas em troca de pagamento de dívidas. Além disso, eles travam guerras com povos indígenas, a fim de usar as terras para mais plantações de ração e criação de gado.

Também conseguimos ver, pelo documentário Cowspiracy (conspiração da vaca), que a produção de carne gera desperdício de comida, uma vez que para a produção de 1kg de carne, é necessário cerca de 10kg de proteína vegetal para alimentar um animal que será abatido. Com tantas pessoas passando fome no mundo, poderíamos alimentar uma população muito maior se todos optassem por uma dieta vegana, livre de alimentos de origem animal.

De acordo com o livro da Luísa Mell, “Como os Animais Salvaram minha Vida”, mais de 800 milhões de pessoas que passam fome no mundo poderiam ser alimentadas com os grãos destinados ao gado. Além disso, 80% das crianças que passam fome, vivem em países onde produzem alimentos para engordar o gado e vender o animal para países mais ricos.

SE TORNANDO VEGETARIANO

Se você tem interesse em se tornar vegetariano, mas tem receio por não achar que é muito difícil ou que não vai conseguir, fique calmo! Há algumas dicas que podem ajudá-lo nessa transição.

Vá com calma

A primeira delas é ir com calma. Você nasceu e cresceu com a cultura de consumir animais, então não será da noite para o dia que você vai conseguir mudar seus hábitos. Há quem consiga virar até vegano de uma vez, mas a maioria das pessoas vai sentir dificuldades se tirar tudo da sua rotina de uma vez.

Então, sugerimos que comece com o vegetarianismo, escolha entre alguma de suas variações e comece aos poucos, até que se sinta confortável.

Adicione antes de subtrair

Antes de tirar a carne ou outros derivados de animais da sua rotina, comece a acrescentar alguns outros alimentos na sua dieta, fazendo com que aos poucos seu prato vegetariano nasça. Conheça novos sabores, experimente combinações diferentes, dê chances à comidas que você nunca experimentou para ver se gosta.

Faça o seu paladar se acostumar com os novos sabores, assim quando ficar sem carne, por exemplo, você não estranhe a combinação do seu prato. Uma refeição ideal deve conter: 50% de hortaliças (folhas), 25% de proteínas, 12% de leguminosas (feijão, lentilha, grão-de-bico, etc.) e 12% de carboidrato.

Seja adepto à segunda sem carne

Existe um movimento, que foi criado em 2013 nos Estados Unidos, que é aceito por 40 países (e o número só cresce), onde a proposta é deixar de consumir qualquer alimento de origem animal em um dia da semana: às segundas-feira.

A princípio, também pode parecer um pouco difícil ficar sem nada de animal por um dia inteiro, mas você pode começar tirando do seu almoço e jantar, por exemplo, até conseguir ficar um dia todo. Depois disso, vá alternando entre um dia sim e um dia não, até que você consiga ficar todos os dias sem.

Conheça outros alimentos ricos em proteína

Somos educados a pensar que só existe proteína na carne, mas esse pensamento está completamente errado. Há muitos alimentos que contém uma quantidade grande de proteína, alguns maiores que a carne, inclusive! Conheça alguns:

  • soja;
  • quinoa
  • milho;
  • ervilha;
  • feijão;
  • grão-de-bico;
  • tofu;
  • aveia;
  • folhas verdes escuras;
  • castanhas
  • sementes de abóbora.

Viu só? Não é muito difícil fazer as substituições, ter uma alimentação saudável e ainda não praticar crueldade nenhuma!

Se tornando vegano

Talvez você consiga ter uma dieta vegana antes de ser vegetariano, isso é ótimo! Mas, caso você faça parte da maioria, provavelmente vai começar com o vegetarianismo, e não há problema nenhum nisso! Após seguir as dicas que demos acima, você provavelmente já será vegetariano, ruma ao veganismo!

Pare de frequentar locais que abusem de animais

Como explicamos no post, veganos não vão à rodeios, zoológicos, aquários e todos os outros locais que usam os animais para lucrar! Além de não ir, é importante mostrar para as pessoas aos seu redor a importância de não frequentar esses lugares.

Deixe de usar produtos que façam testes em animais

A maioria das marcas de cosméticos, shampoos, desodorantes, protetor solar, que encontramos com facilidade por aí, infelizmente, fazem testes em animais e isso é uma crueldade que veganos boicotam a todo o custo!

Além de não fazer testes em animais, é importante se certificar de que elas também não usam nenhum produto de origem animal em sua composição. Para saber se uma marca é vegana é só procurar por selos como a Vegan e Sociedade Vegetariana Brasileira.

Separamos algumas marcas veganas, orgânicas e sustentáveis:

Algumas marcas conhecidas, como a Dove, pararam de fazer testes em animais no meio de 2018, mas ainda existem produtos com ingredientes de origem animal, então ainda não são veganos, mas já é um começo.

Compartilhe seu conhecimento

Estude cada vez mais sobre o veganismo e compartilhe com seus contatos o que está aprendendo. É assim que fazemos com que as pessoas enxerguem a verdade por trás das grandes indústrias e comecem a ter mais consciência dos produtos e dos alimentos que consomem.

Como explicamos, há diferenças entre vegano e vegetariano, mas ambos compactuam de um mesmo propósito. Se você tem interesse em começar com esse estilo de vida, vá aos poucos, comece como ovolactovegetariano, passe para o vegetariano estrito e depois para o veganismo.

O importante é você começar a enxergar o mundo de uma forma diferente e ver que pode mudá-lo com ações que partem de você.

Você sabia dessas diferenças e de tudo que envolve a filosofia do veganismo? Conte para nós nos comentários.

Bianca SilvaDiferença entre vegano e vegetariano: entenda os dois conceitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *