Testes em animais: eles são mesmo necessários?

Todos os anos, mais de 100 milhões de animais sofrem e morrem em decorrência de testes nos Estados Unidos. Um número assustador, não é mesmo?

Pior do que o número, é como esses testes em animais são feitos e sem basicamente nenhuma funcionalidade para a saúde humana. Não podemos mais aceitar esses tipos de testes em uma época em que já existem alternativas para isso.

Neste texto, vou explicar por quais motivos os testes em animais ainda são mantidos, quais animais são submetidos e se eles realmente são necessários para a segurança e evolução humana. Quer saber tudo isso? Então acompanhe!

Os motivos dos testes em animais

Os motivos apontados são os mais variados e cada um com uma funcionalidade diferente. Entre eles: evolução científica, evolução médica, estudos farmacêuticos, regulamentadores, definição de hipóteses científicas, modificação genética, entre outros.

O pior disso tudo é que a maioria das pessoas ingressadas nesse meio sabem que esses testes não são válidos. Segundo o livro “Como os animais salvaram a minha vida” a FDA — Foods and Drugs Administration, uma vigilância sanitária dos EUA — já admitiu que os testes em animais não são capazes de prever o comportamento de uma droga no organismo humano. São organismos diferentes, com reações diferentes.

Dinheiro

Segundo o Dr. John Pipp, diretor acadêmico da associação americana do comitê médico pela medicina responsável, em entrevista para a revista Galileu afirmou que:

“O uso de animais em testes científicos e pesquisas acadêmicas poderia ser interrompido hoje mesmo sem nenhum ônus para o avanço científico”.

Ele também reforça que o motivo pelo qual esses tipos de pesquisas ainda são feitas é o dinheiro:

“Há três grandes razões pelas quais isso continua e elas são dinheiro, dinheiro e dinheiro. As pesquisas em animais para doenças humanas, ao menos nos EUA, acontecem em universidades e ambientes acadêmicos, e essa pesquisa é paga por dinheiro público. Esses institutos gastam todo ano cerca de 13 bilhões de dólares em pesquisas usando animais”.

Você pode ver a entrevista completa no site da Revista Galileu

Então o verdadeiro motivo para que os testes em animais continuem acontecendo é em relação ao dinheiro. Pesquisas, evolução científica e outros formatos de testes, podem ser feitos de formas alternativas que apresentarei ao longo do texto.

Os tipos de testes em animais

Para cada funcionalidade existe um teste diferente, com animais diferentes e sofrimentos diferentes. Primeiro é importante saber quais animais estão “classificados” a serem testados. Cachorros, gatos, coelhos, ratos, pássaros, macacos, galinhas são alguns dos milhões animais testados, citado no início do artigo.

Vamos conhecer agora alguns dos testes mais comuns.

Teste de Irritação dos Olhos

São aplicados produtos de limpezas ou cosméticos diretamente nos olhos dos animais, geralmente coelhos, para medir a ação nociva dos químicos que compõe a fórmula do produto.

Os coelhos são imobilizados em suportes que prendem suas cabeças para evitar que arranquem seus próprios olhos devido a dor. Seus olhos são mantidos abertos por clipes de metal e podem durar de 72h à 18 dias.

Teste Draize de Irritação Dermal

São utilizados produtos em peles raspadas e com feridas dos animais, que ficam imobilizados. Os químicos normalmente deixam a pele do animal em carne viva, para observar alterações cutâneas.

Teste LD 50

Abreviação do termo Dose Letal 50%, é utilizado em 200 ou mais animais onde são inseridos sondas em suas bocas para que ingiram uma determinada quantidade de substâncias a fim de medir a toxicidade delas.

Os animais desse teste vão morrendo aos poucos, seja por perfuração, lesões pulmonares, sangramento dos olhos e da boca, coma e, por fim, a morte.

Testes de Toxidade Alcoólica e Tabaco

Mesmo já tendo dados científicos do uso contínuo de álcool e tabaco, ainda são feitos testes onde os animais são obrigados a inalar fumaça e ficar embriagados, para depois serem dissecados e estudados.

Mais alguns testes comuns:

  • Experimentos de Comportamento e Aprendizado
  • Experimentos Armamentistas
  • Pesquisa de Programa Espacial
  • Teste de Colisão
  • Pesquisas Dentárias
  • Dissecação
  • Cirurgias Experimentais e Práticas Médico-Cirúrgicas
  • Experimentação Animal na Educação

Você pode entender um pouco mais sobre cada um nesse post da PEA.

Alternativas para os testes em animais

Muitos pesquisadores identificaram que os testes em animais não proviam resultados confiáveis, além de atrasarem em anos a análise para chegarem a uma conclusão. Por conta disso, desenvolveram outros meios de fazer todos os testes acima citados.

Vamos conhecer alguns deles.

Testes In Vitro

Células humanas são criadas In Vitro e são cultivadas para imitar a função e estrutura dos órgãos humanos. Dessa forma, os testes estão voltados para as necessidades humanas, com menor chance de erros.

Esse teste pode ser usado para pesquisas de doenças, testes de toxicidade, produtos químicos, cosméticos e testes de drogas.

Testes In Silico

Teste In Silico significa testes em computadores que simulam a biologia humana e a progressão de doenças e seus desenvolvimentos. Alguns estudos já apontam que esse tipo de teste já consegue prever com precisão a reação de medicamentos e drogas no corpo humano.

Voluntários humanos

Esses testes são usados com microdosagens para fornecer informações vitais de segurança de drogas experimentais e como nosso corpo as metaboliza. Após terem a dosagem, os voluntários são estudados em aparelhos de imagem avançados, como a ressonância magnética funcional.

Como a dosagem é baixíssima e os aparelhos de estudos são avançados, os voluntários não correm risco de vida.

Depois de entender o motivo pelo qual os testes em animais ainda são financiados, quais são eles, como os animais sofrem e que existem maneiras alternativas para pausar esse sofrimento, você ainda está disposto a comprar produtos que fazem testes em animais?

Dê preferência para empresas que não financiam essa crueldade e aos poucos todas vão parar de realizar os testes em animais. Nós precisamos nos unir para acabar com isso de uma vez por todas!

Que tal você compartilhar esse posts com seus amigos para que eles saibam dessas atrocidades e também comecem a usar produtos cruelty free?

Bia SilvaTestes em animais: eles são mesmo necessários?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *